Loader
JUNTOS SALVAMOS VIDAS: RELATOS DE AÇÕES DESENVOLVIDAS
30374
post-template-default,single,single-post,postid-30374,single-format-standard,bridge-core-2.3.6,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-22.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.9.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-28047

JUNTOS SALVAMOS VIDAS: RELATOS DE AÇÕES DESENVOLVIDAS

JUNTOS SALVAMOS VIDAS: RELATOS DE AÇÕES DESENVOLVIDAS

Wanderlei Cesar Barneze*

As ações desenvolvidas neste relato, foram realizadas em anos recentes, um trabalho desenvolvido por várias mãos, que resultou em números concretos na redução de sinistros de trânsito, redução de infrações e por que não em número de mortes no trânsito, que dificilmente conseguimos mensurar.

Um trabalho não muito fácil, mas recompensador do ponto de vista moral, ético, satisfatório e de colaboração para com a sociedade como um todo.

Não adiantaria guardar em gaveta ou na lembrança, se não repassássemos essas ideias, onde mais pessoas possam se interessar, entender, e se espelhar em toda a dinâmica envolvida no trabalho. Então vamos lá:

A empresa “X”, tendo uma estrutura para atender 7 grandes diretorias de uma empresa que na época era em torno de 20 mil pessoas, tinha em seu quadro em torno de 2.300 veículos que rodavam em média 45.000.000 km por ano e seus mais de 5.000 condutores entre motoristas da empresa, motoristas terceirizados e motoristas credenciados a dirigir veículos da empresa.

No início, foi desenvolvido um programa de qualidade em que o setor de transportes também foi envolvido com uma padronização de ações.

Para citar um exemplo com bons resultados, foi o credenciamento de oficinas mecânicas, inspecionados por técnicos da empresa que discutiam os procedimentos de manutenção, tempo para troca de peças (indicado pelos fabricantes e pelos técnicos de acordo com a utilização dos veículos). As peças e pneus eram rigidamente controlados, para quando houvesse necessidade de troca, as trocassem sem problemas. Mesmo sem a devida quebra de peças importantes, as mesmas eram trocadas depois do seu tempo de uso. Elas poderiam até ser usadas por mais tempo, mas o risco não compensaria.

Nesse quesito fomos lembrados pelo Instituto Nacional de Segurança de Trânsito, obtendo Menção Honrosa, pela diminuição significativa nos custos de manutenção da frota e todo o trabalho, em comparação com outras empresas participantes.

Entre várias ações no trabalho de redução de acidentes, chegou a vez do treinamento onde foi pinçado em cada área da empresa espalhada pelo estado de São Paulo, colaboradores que abraçassem a ideia.

Foi feita a formação pedagógica de todos eles, em torno de 50. Para que pudessem transmitir os cursos ligados à Segurança no Trânsito. Nesse trabalho até uma frase nos norteou “Nossa Energia Salvando Vidas”, por se tratar de uma empresa de energia elétrica. E hoje, também outra frase nos chama a atenção, “Juntos Salvamos Vidas”, sempre enfatizando vidas humanas.

Com isso foi feita a distribuição de material didático, apostilas, recursos áudio visuais e outros para que pudessem auxiliá-los nessa tarefa. Esses conteúdos abrangiam desde a direção defensiva propriamente dita, o papel do motorista na condução dos veículos, a Legislação de Trânsito e outras que fossem necessários para aquela região ou turma específica.

Ficamos na coordenação desse trabalho, enviando material, recebendo as listas de presença, ministrando treinamentos e por fim, enviando certificados e acompanhando os sinistros que haviam em cada localidade.

De posse de um acompanhamento estatístico, eram discutidos e sugeridos os conteúdos a serem desenvolvidos para cada localidade do estado, uma vez que cada região tinha sua peculiaridade.

No conjunto da obra, outros treinamentos eram realizados como: veículo traçado 4×4; caminhão; motos que andavam em trilhas para chegar nos pontos de trabalho (Honda desenvolveu); veículos específicos (Land Rover fez treinamento para os condutores); tratores, etc. Quando não havia pessoas habilitadas na empresa, eram contratados profissionais para esse fim e diversas outras ações ligadas à segurança viária.

Dessa forma o número de acidentes foi caindo ano a ano e ligado a esse controle tínhamos o controle também de infrações de trânsito que também começaram a baixar de forma significativa.

Tudo o que era considerado equipamento de transporte terrestre estava incluído nesse trabalho e resultado, então tínhamos, desde caminhão, veículos leves de toda espécie, caminhonetas, caminhonetes, carretas, trator, motos, etc.

Esse trabalho teve também seus puxões de orelha, por outro lado, mas teve também compensações de outro, para quem ia se comprometendo mais e mais com o propósito de salvar vidas.

Pude participar em grande parte desse projeto e a sensação de dever cumprido é muito gratificante. Então para fechar esse pequeno relato, segue alguns números que marcaram esse trabalho.

[/vc_column_text]

O índice é: IF = Quantidade de acidentes dividido KM percorrida multiplicado por 1.000.000. No último ano desse quadro tivemos um índice no mês de junho, de 1.48 que foi o menor em 20 anos de registros. Menor de todas as empresas de energia elétrica do país, que faziam parte do “Gridis” Eletrobrás.

Wanderlei Cesar Barneze

  • Observador Certificado;
  • Consultor em Treinamento.

 

 

 

 

 

 

 

4 Comments
  • Thyrso Guilarducci
    Posted at 11:29h, 13 setembro Responder

    Isso é uma demonstração do trabalho incansável que resulta em vidas salvas. Parabéns aos envolvidos. Excelente Artigo!

  • Marcelle Pazini
    Posted at 19:36h, 13 setembro Responder

    Excelente iniciativa! Parabéns! Imagina se essa moda pega?

  • Wanderlei Cesar Barneze
    Posted at 20:17h, 13 setembro Responder

    Fiquei muito feliz desse trabalho ser publicado e por estar compartilhando com todos que caminham nessa missão.

  • Margarete Barneze Beato
    Posted at 20:49h, 15 setembro Responder

    Trabalho sério, resultados significativos
    Parabéns 👏

Post A Comment